domingo, 7 de dezembro de 2014

Quem será o futuro Presidente da Previ???

Caros colegas,

A próxima semana será recheada de suspense. Primeiro, em relação a quem será o Presidente do Banco do Brasil. Alguns apostam no atual secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Rogério Caffarelli, apoiado pelo ex-Ministro Guido Mantega e pelo também ex-ministro Antônio Palocci. Outros acham que isso é para queimá-lo mais uma vez. Bendine será premiado com a presidência da Cielo, empresa de cartões do BB e do Bradesco.

Em relação à Previ, segundo informações divulgadas na mídia, a briga está feia. Três Vice-presidentes do BB disputam o cargo: Walter Malieni, da área de risco, é o preferido dos economistas Delfin Netto, Luiz Gonzaga Belluzzo e de Marcos Molina, da Marfrig. Outro que está na disputa, segundo a Revista Época, é o Maurício Maurano, Vice-presidente de atacado, tem a chancela de Bendine e de grandes empresas, como o grupo J&F. O terceiro, também cotado, é o Ivan Pinheiro, de relações com investidores, preferido do recém nomeado Ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Ainda existe um quarto, não citado nessa matéria, que é atual Presidente do Conselho Deliberativo, Robson Rocha.

Enquanto não decidem quem assumirá o cargo, fica a dúvida sobre a linha que adotarão na escolha do próximo dirigente. Espero, sinceramente, que haja uma escolha técnica, sem interferência política. Ter um gestor ligado a empresas, principalmente o grupo JBS não é uma boa sinalização. Da mesma forma, dirigentes com ligação partidária também não é aconselhável. Se a Previ esteve fora das denúncias de corrupção ou de maus investimentos que foram divulgados recentemente foi justamente em função de uma gestão mais técnica, profissional. Espero, sinceramente, que as pessoas com poder de decisão, reflitam bem e não coloquem o patrimônio dos associados em risco. Precisamos, cada vez mais, de uma gestão profissional para dar conta dos grandes desafios que teremos que enfrentar como o de transformar nossas posições mais líquidas, buscar melhorias na rentabilidade, focando qualquer novo investimento no tripé - risco, retorno e liquidez.
Por isso, cada vez mais é importante que fiquemos de olhos bem abertos. Contem conosco neste cuidado e vigilância de nosso patrimônio. Estaremos firmes nos nossos propósitos de defender com unhas e dentes nossa Previ. A PREVI É DOS ASSOCIADOS, não é nem do governo, nem de partidos políticos e muito menos do BB.