domingo, 19 de outubro de 2014

A Influência do PT

As denúncias apresentadas no escândalo da Petrobras envolvendo, principalmente, os partidos PT e PMDB, nos trazem à baila a mesma estratégia perversa do "mensalão". Só mudaram algumas "estrelas": ao invés do Delubio Soares, agora quem negocia pelo PT é o João Vaccari, inclusive com grandes evidências de que houve dezenas de transações entre ele e a Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, que está amargando vários maus investimentos que provocaram déficits recorrentes na entidade. Segundo o doleiro Alberto Youssef, "Vaccari é o PC Farias do governo PT". 

Sei de uma história bem interessante de um petista que, amargurado com a frieza do partido em relação a ele porque ele não atendeu às demandas do Vaccari... Pelo que sei, Vaccari é do mesmo grupo do Berzoini e companhia. 

Pelos resultados que a Funcef e Postalis têm apresentado e pelo que tem sido divulgado na mídia, é bem provável que tenha também as mãos do atual tesoureiro do PT. Os tentáculos gulosos do partido estão em todos os lugares e sua ânsia de poder não tem tamanho.

O Governo do PSDB também usou sua influência nos fundos de pensão das empresas estatais para que participassem dos processos de privatização ocorridos na época no País, dando a segurança necessária para os investidores privados, com algumas composições bem complicadas, porém não podemos dizer que foi um mau negócio participar na privatização da empresa Vale, as empresas do setor elétrico, Embraer, entre outras. Mesmo o processo das empresas do setor de comunicações que foi pautado com denúncias e falta de governança, o resultado não foi deficitário. Posso assegurar que o valor de mercado dessas empresas hoje são bem maiores que valia na época. 

Agora, o partido que se dizia o protetor dos participantes de fundos de pensão, que levantavam a bandeira da ética, que entregaram os cargos na intervenção do órgão regulador, aparecem como nossos algozes quando enfiam goela abaixo a Resolução CGPC 26, que foi muito pior que as Leis Complementares 108 e 109, que regulamentou a entrega de 50% dos recursos de superávit ao patrocinador, fazendo com que o fundo de pensão fosse olhado como um fundo de investimento. Essa resolução que foi assinada por um Ministro do PT, colega aposentado do Banco. 
E, para fechar, utilizam a empresa Petrobras, orgulho de uma nação, como se fosse a birosca do partido, expondo a empresa ao vexame nacional e de auditoria internacional.

Eu sei o que sofri nas eleições de 2012 e este ano, quando senti na pele essa estratégia perversa do medo, de provocar nas pessoas o receio de que a mudança poderá ser fatal para o futuro. São insulares e só eles são bons o suficiente para serem respeitados. Pelo que estamos vendo, são "ótimos" para transformar o que é ouro em lata, bem ao contrário da história de nossa infância.