sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Seriedade e mais Respeito com os Associados

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. " Mateus, capítulo 6, versículo 24.

Caros Colegas,

Em 12.11.14, o nosso grupo que foi eleito na Previ em junho deste ano, assinou um "Manifesto" em conjunto com outros fundos de pensão de empresas estatais com o objetivo de reforçar o nosso compromisso com uma gestão focada nos interesses dos associados.

A Previ, no dia 14.11, divulgou no site um repúdio em relação ao nosso manifesto e no dia 18.11, os representantes eleitos ligados ao atual Governo, que perderam as eleições da Previ para o nosso grupo em junho deste ano por quase 10 mil votos, enviaram um e-mail intitulado "Seriedade e mais respeito com a Previ", repudiando também a nossa iniciativa, na mesma linha que a resposta institucional da Previ: "a Previ é um exemplo em governança corporativa para os fundos de pensão do país, com participação ativa há mais de dez anos em ações para melhorar a governança nas empresas onde tem participação e no sistema de previdência complementar".

Este é o problema. Eles não se perguntam sobre a governança do ponto de vista dos associados, verdadeiros donos da Previ. Dão mais importância ao mercado e às empresas onde a Previ participa do que aos seus verdadeiros donos. É o mesmo discurso do patrocinador. Deveriam responder as seguintes perguntas: "por que não melhoraram a governança, acabando com o voto de minerva e retornando a consulta ao corpo social, já que são parte deste governo? Por que não mudaram a Resolução CGPC 26 que determina que metade dos recursos do superávit sejam repassados ao patrocinador?" Por que preferem continuar com o discurso do que foi feito nos governos anteriores esquecendo do que NÃO foi feito no governo atual?

Eu fui acusada pessoalmente em relação ao Manifesto que nós assinamos. Eles não se deram nem ao trabalho de ler o "manifesto", já que em nenhum momento nós citamos o nome da Previ. Nosso movimento é para proteger os fundos de pensão das empresas estatais dos tentáculos do governo (nossa obrigação como eleitos), seja qual governo for. Se não houve nenhuma ingerência política nos investimentos da Previ até o momento, ótimo, porém isso não significa que não possa haver no futuro, principalmente se houver mudanças na gestão da entidade em função de alterações no Ministério da Fazenda e na Presidência do Banco do Brasil.
A revolta do grupo que perdeu as eleições de 2014 na Previ foi o fato de não terem sido convidados para participar da assinatura desse manifesto e eu explico o motivo. ELES NÃO SÃO INDEPENDENTES. Eles fazem parte do mesmo partido do Governo, o que não os torna "gestores independentes", o que podemos facilmente identificar na mensagem que encaminharam.  

Nosso grupo continuará firme como uma rocha na defesa dos interesses dos associados. Não temos compromisso com nenhum grupo político nem partidário, nosso único compromisso é com aqueles que nos elegeram - OS ASSOCIADOS. Continuem contando com nossa vigilância e apoio. Nós somos os olhos, ouvidos e bocas de todos vocês na Previ.